segunda-feira, 24 de julho de 2017

Cabeceiras

Há um tempo atrás não existiam tantas opções de colchões, camas, etc. Então todas as pessoas faziam suas escolhas de camas apenas se baseando no design da cabeceira e se haveria cama auxiliar (bicama) ou não. No máximo um beliche quando faltava espaço ou a quantidade de filhos era grande.
Hoje não só a opção de tipos de cabeceiras aumentou, como a oferta e tipos de colchão (e tamanhos) é bem maior.

A primeira coisa a ser definida é o tamanho do colchão. Em seguida, a definição se vai ser de mola, de espuma, box, bibox, tipo baú... A partir daí, o espaço que temos disponível conta muito para a definição do tipo de cabeceira.


                                 
 Nesse quarto a opção foi por um box com cama auxiliar, e ele vai ficar encostado nesse painel com nicho. O painel foi revestido de couro facto, o nicho de laca recebeu iluminação e acrílico para segurar os objetos e livros que são colocados nele.

 Já nesse quarto, a cama é básica, com colchão de espuma. O painel de laca que contorna as paredes funciona como cabeceira e a bancada estreita atrás auxilia como um criado.



                            
Nesse projeto, utilizei cama box padrão, e por ser um quarto pequeno, desenvolvi uma cabeceira tipo baú, onde ficam guardados edredons, travesseiro... O acabamento é de melamínico branco e o criado compartilhado veio em madeira escura para contrastar.


 

E cama box sem cabeceira e sem painel, pode? Claro que sim! E uma das opções utilizei a ideia de sofá para poder tornar a cama mais confortável.

Nesse caso a cabeceira foi desenvolvida tipo painel e ela ajudou a disfarçar o pilar da parede. Aqui a opção foi por um modelo de painel mais alto.


A utilização de espelhos também funciona, e nesse caso mesclei com uma plotagem de uma foto do casal centralizada.

Nesse quarto, também com cama box, desenvolvi um painel com nicho para colocação de fotos. Um detalhe de perfil de alumínio dão um efeito bem leve para a estrutura.


Mais uma opção de painel alto e espelhos. Aproveitei o painel para instalar arandelas e deixar os criados mais livres. A diferença aqui fica no painel que vira nas laterais e faz um conjunto bem harmonioso com os criados.

Nesse quarto a opção foi por cama tradicional, com cabeceira. Revestida de linho, quase na cor da parede, ela vira um complemento bem leve.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Vamos falar de acústica?

No meu instagram (@jurfaria) na semana passada, eu pedi aos meus seguidores que me dissessem um assunto que eles gostariam de ver aqui no blog. O primeiro deles foi a respeito de acústica.

Em janeiro de 2013 eu fiz esse post AQUI .
E hoje vou complementar as informações, principalmente no que toca à casas geminadas.
Para quem não sabe, casa geminada é aquela que as paredes são divididas com o vizinho, ou seja, a mesma parede da sua sala é a parede da sala do seu vizinho. E nesse tipo de construção é bem comum a queixa de barulho... Até conversas, dependendo da espessura da parede, podem ser ouvidas, e isso não é nada legal, né?

Bem, no caso dessas paredes compartilhadas, uma boa solução é você fazer uma parede nova por cima, que pode ser drywall, afastada 5cm. O segredo está em utilizar a manta de lã de vidro ou de rocha no meio dessas duas paredes.



O ideal é que você contrate um profissional que possa te auxiliar a silenciar a sua casa. Nada como a ausência de ruídos para podermos viver melhor!
Não tenho interesse em prejudicar ninguém, muito menos ferir direitos autorais. Se alguma foto que ilustra o blog é de sua autoria e não lhe foi dado o devido crédito, envie um email que terei prazer em mencionar. Caso você queira que a sua foto seja retirada, atenderei sua solicitação de imediato!